Nova variante do coronavírus, mais transmissível, é identificada no Brasil

A nova variante do Sars-CoV-2, potencialmente mais transmissível que a versão atual

Imagem ilustrativa

Imagem ilustrativa


A nova variante do Sars-CoV-2, potencialmente mais transmissível que a vers√£o atual, detectada na Inglaterra e em diversos países da Europa e da √Āsia, acaba de ser identificada no Brasil. A informa√ß√£o foi divulgada nesta quinta-feira (31) pela Dasa, líder brasileira em medicina diagnóstica, que fez a identifica√ß√£o. A empresa diz que j√° comunicou a descoberta ao Instituto Adolfo Lutz e à Vigil√Ęncia Sanit√°ria.


Segundo o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), estima-se que nova linhagem tenha uma transmissibilidade até 70% superior ao que se tem como par√Ęmetros atualmente. Mas n√£o h√° indícios de que ela seja mais letal. As ag√™ncias de saúde, especialistas e autoridades científicas do Reino Unido afirmam, porém, que tal linhagem n√£o deve afetar a efic√°cia das vacinas que foram desenvolvidas contra a covid-19.


Segundo a Dasa, o estudo que levou à detec√ß√£o da variante no Brasil come√ßou logo após o Reino Unido ter anunciado a detec√ß√£o da nova linhagem em 13 de dezembro. A variante se caracteriza por apresentar grande número de muta√ß√Ķes, oito delas ocorrendo na proteína da espícula viral (spike). Foram analisadas 400 amostras de RT-PCR de saliva, método que identifica tr√™s alvos distintos e n√£o apenas o gene S, da proteína spike, e dentre elas, duas amostras apresentaram a linhagem B.1.1.7.


"A spike é a proteína que o vírus usa para se ligar à célula humana e, portanto, altera√ß√Ķes nela podem tornar o vírus mais infeccioso. Os cientistas ingleses acreditam que seja essa a base de sua maior transmissibilidade", explica o virologista da Dasa, José Eduardo Levi.


Muta√ß√Ķes em vírus s√£o normais. Por isso, j√° eram esperadas altera√ß√Ķes no RNA (material genético) do Sars-CoV-2. Hoje, no Reino Unido, a nova linhagem B.1.1.7 j√° representa mais de 50% dos novos casos diagnosticados, de acordo com a Organiza√ß√£o Mundial da Saúde (OMS).